Pesquisar este blog

quinta-feira, 10 de março de 2016

Vídeo de Verão 2016



Leonel Braz integra o POAemMovimento, um coletivo de arte dedicado a exercer a voz da cidadania, com uso sem restrição de toda e qualquer forma de expressão artística. Neste sentido, o coletivo ao longo dos anos vem se dedicando à performance, fotografia e especialmente à produção em vídeo.

As performances geralmente estão ligadas a temas da ecocidadania porto-alegrense, como foi no caso Pontal do Estaleiro, e recentemente na discussão sobre um projeto de Cais Mauá, verdadeiramente democrático.Há espaço para a produção de clipes documentários, cite-se o exemplo o vídeo “Quantas Copas Por uma Copa”:  https://www.youtube.com/watch?v=Tlo7Pq8hAww

Também, momentos líricos porto-alegrenses como o Abraço ao Guaíba: https://www.youtube.com/watch?v=ZNwSThlc88w

POAemMovimento também produz vídeos dedicados a não menos importante prática da contemplação artística, como é o caso dos vídeos da Série “Vídeo de Verão”.  

sábado, 20 de fevereiro de 2016

Armazém A7 no Bloco do Cais, Cais, Cais 20.02.2016

O grupo Cais Mauá de Todos vem fazendo encontros e manifestações por um Cais Mauá verdadeiramente democrático. O evento "Bloco do Cais, Cais, Cais!", realizado neste dia 20, foi mais destes belos momentos, em que a população porto-alegrense se reuniu para protestar contra o nefando projeto previsto para o nosso Cais.

Atendendo ao chamado da cidadania levamos o Armazém A7 para participar do Bloco do Cais, Cais, Cais. O Armazém A7 encantou a todos levando sua mensagem de resistência com muita alegria, conquistando a simpatia dos presentes por onde passou.

Como é de conhecimento geral, que querem demolir o Armazém 7, patrimônio histórico arquitetônico da cidade, para a construção de um nauseabundo estacionamento de shopping. Com tanta loja fechando pela cidade, os especuladores imobiliários pensam em construir mais um trubufu comercial na Ponta do Gasômetro.

Nós, do POAemMOVIMENTO, acreditamos que o Cais Mauá deveria privilegiar cultura e o transporte de passageiros de toda a grande Porto Alegre. Também,  parte deveria ser reservada ao produtor orgânico de alimentos, que poderia conduzir sua produção  pelas águas do Guaíba até o centro da cidade, eliminando atravessadores, oferecendo alimentos de qualidade a preço justo. (Como já foi no passado)

Já tentaram derrubar a Usina do Gasômetro e o povo se uniu e chaminé está lá. Outro símbolo da cidade, o Mercado Público, também escapou de ir ao chão pelas mãos de um prefeito que queria ganhar uns poucos segundos para os automóveis. O povo se uniu e hoje ele está lá com um dos grandes símbolos da cidade. Agora, dentro do malfadado projeto de revitalização, querem acabar com nosso brother, o Armazém 7. Mas, nós não vamos deixar que isso aconteça!





















quarta-feira, 13 de janeiro de 2016

UM POUCO SOBRE O PARQUE DE ITAPUÃ


Durante grande parte da minha vida acampei no Itapuã. Era um campismo verdadeiramente selvagem. Caminhávamos quase 08 quilômetros do fim da linha do ônibus até a praia do Sítio. Acompanhei pessoal mente a transformação daquela imensa área em parque. Vi algumas pedreiras ainda funcionando, conheci os últimos pescadores e donos propriedades que insistiam em permanecer no local.

Eu e uma galera fazíamos trilhas por todos os cantos, acordávamos com bugios, convivíamos com as caranguejeiras. Banho de rio no inverno e verão (minha asma ficou crônica). Com o passar dos anos levávamos cada vez menos bagagem, dizíamos que aquilo era para quem tinha teste de sobrevivência.

Pra reservar histórias de camping para uma oportunidade futura, digo apenas que quando a área do parque ficou definitivamente delimitada, várias vezes entramos clandestinamente naquele que pra nós era um verdadeiro santuário. Inclusive em algumas destas incursões, fomos retirados à força pela polícia ambiental.

O atual Parque de Itapuã resultou da luta do ambientalista José Lutzemberger, que apaixonado pelo espetacular cenário da região, empreendeu uma luta pela preservação do local. Na época as pedreiras estavam disseminadas pela região comprometendo seriamente ecossistema.  Mesmo sobre protestos de moradores, o Parque Estadual se firmou e até hoje conserva a beleza imensurável de seus morros, fauna e flora.  

Confesso que hoje quando vou ao parque me sinto um pouco limitado, pois tive o prazer de andar livremente por toda aquela região.  Passei dias nos picos dos morros, curtido o poderoso visual. Dormi na beira praia, me diverti com causos em volta da fogueira. Sei que não devo reclamar da condição atual. Tenho minhas críticas quanto ao manejo e estruturação do parque. Assim como, penso que a população do entorno poderia participar efetivamente da gestão.  

Mesmo que seja por algumas horas, quando vou ao Parque de Itapuã, mato parte da saudade daquele que foi para mim um verdadeiro segundo lar.

“Eu moro em Ipanema e vou sempre acampar, na Praia do Sítio meu segundo lar.” (Trecho da Canção Praia do Sítio de Cylmarcus Dewitt)

Uma visita ao Parque de Itapuã é programa absolutamente incrível. O parque atualmente possui duas praias abertas ao público. As praias da Pedreira e Pombas têm águas limpas e um visual estonteante. Elas ficam abertas das 9h às 18h, de Quartas-feiras a domingos, a entrada custa R$ 6,12.

Nestes dias de calor é bom chegar cedo, a entrada é limitada. Leve seu lanche. Não tem som alto e nem vendedores ambulantes.  Sim, existe um lugar assim!














                                                                                                                           

sábado, 16 de maio de 2015

Perigo no Calçadão de Ipanema 1 - POA/RS

O calçadão de Ipanema, inaugurado por Olívio Dutra, é uma das joias da cidade de Porto Alegre. Sua simplicidade se harmoniza com a beleza da baía de Ipanema, comprovando que se pode revitalizar a orla do Guaíba sem o auxílio de projetos caros e mirabolantes.

Por estas características é natural que ele se transforme em palco de diversas manifestações da urbanidade porto-alegrense.  Há gente que utiliza o passeio público para esportes, lazer e até para palanque político. O calçadão é uma vitrine da cidade.

Há bom tempo, estivemos num encontro com representantes de Associações do Bairro, da Câmara Municipal e do Executivo e, levamos uma pauta para qualificar ainda mais o espaço.

Lembramos a todos, que nos primeiros mil metros de calçadão, existe apenas uma única rampa exclusiva para portadores de necessidades especiais, sem comunicação com outra na calçada oposta. Coisa inadmissível para moldes contemporâneos. Não bastasse isso, ressaltamos que faixas de pedestres, fora das normas técnicas, expõem a riscos de acidentes idosos, crianças e portadores de necessidades especiais.


Tendo em vista, o uso do calçadão para atividades generalistas e o grande fluxo de pessoas que circulam no local, trazemos de volta estes temas específicos, uma vez que se trata de assuntos de extrema de importância para a segurança direta dos usuários do calçadão. Para tanto, segue este ensaio fotográfico (melhor do que desenhar) para refrescar a memória ou sensibilizar aqueles que ainda não prestaram atenção no assunto. 





















Fotos, texto e edição: Leonel Braz
Performance: Willis Carmo

quinta-feira, 26 de fevereiro de 2015

Farol de Santa Marta - 2015


Passei um tempo sem ir até o Farol. Grande parte da beleza visual ainda pode ser apreciada. Foi fácil perceber em 2015, as casas “de cinema” que chegaram com tudo, as cercas variadas e o trânsito em mão única. Não se pode mais cruzar o local por onde bem entender. Não sei o que aconteceu, mas não tem mais diversão noturna.  As pousadas se multiplicaram. A falta de saneamento adequado faz com que o solo não consiga absorver o excesso das fossas sépticas e o esgoto é drenado para a prainha. O cheiro do esgoto é insuportável. Mas, alguns menos avisados ainda usam a prainha.

A beleza do morro do céu resiste, apesar da falta de trilhas orientadas, obras de contensão de encostas e as motos que dão início à erosão. A praia do sul - Cardoso e a do norte - Galheta estão em condições. Galheta por ser deserta, oferece uma bela extensão para caminha de aproximadamente 4 Km. Ainda não sofreu ataque direto da especulação imobiliária. Ainda, por que existe um condomínio da Família Ronaldinho rondando esta praia. Também, existe um condomínio fechado no Cardoso, com torre e vigia e tudo mais.

Também, paira uma séria ameaça aos sítios arqueológicos do Farol chamados sambaquis. Os sambaquis são enormes depósitos à céu aberto, de restos de comida acumulados a milhares de anos, locais por vezes usados cemitério, alguns os chamam de concheiros ou casqueiros. Os restos apontam para uma população muito volumosa, que teria habitado toda aquela parte do litoral brasileiro.       


Quando nos anos 1.500 os primeiros navegadores chegaram até lá encontraram a tribo dos Carijós, um grupo bem numeroso. Porém, este grupo não se compara às estimativas populacionais feitas com base nos estudos dos sambaquis. Estes sítios pré-históricos, já foram usados para aterrar ruas, em concreto de construções e por vezes são estilhaçados por turistas e motos. Os sambaquis são pré-históricos. Em Laguna foram encontrados sambaquis com até 5 mil anos de idade. 
























Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...