Pesquisar este blog

segunda-feira, 29 de agosto de 2011

AGAPAN - Associação Gaúcha de Proteção ao Ambiente Natural


No início dos anos 1970 a ditadura militar estava a pleno vapor. Sob o pretexto da manutenção da ordem e do progresso o poder autoritário limitava os direitos políticos, amordaçava a opinião pública e reprimia a liberdade de expressão. Campanhas nacionalistas ufanistas varriam o território nacional exaltando uma política desenvolvimentista (milagre econômico).

O Brasil deixava de ser um país de economia preponderantemente ruralista para ingressar irreversivelmente numa economia  de cunho industrial. Para sustentar o acelerado crescimento havia um preço a pagar: a degradação do ambiente natural.

Neste sentido a política desenvolvimentista foi impiedosa como o meio ambiente. Em poucos anos os rios foram envenenados por agrotóxicos, resíduos domésticos e industriais. A poluição do ar se tornou constante nos grandes centros urbanos. O desatino era tanto, que a poluição era vista como um mal necessário, sem o qual não era possível o desenvolvimento.

Diante deste quadro caótico, os problemas ambientais ficaram cada vez mais visíveis, a ponto de um grupo de naturistas de Porto Alegre unir forças para sair em defesa da natureza ameaçada. Nascia assim, no dia 27 de abril de 1971, a AGAPAN - Associação Gaúcha de Proteção ao Ambiente Natural. Entre os fundadores da entidade estavam Augusto Carneiro, Hilda Zimermann, Flávio Lewgoi e José Lutzenberger.
poavive.wordpress.com
Apesar das nobres intenções o grupo foi taxado pelos militares como subversivo. Uma denominação perigosa naqueles anos de chumbo. Mas, isso não esmoreceu os pioneiros da AGAPAN. Nos anos seguintes eles enfrentaram o poder constituído empreendendo importantes lutas na defesa do meio ambiente.

Devido ao combate ao corte de árvores nas zonas urbanas, políticas públicas ambientais foram adotadas e, Porto Alegre se tornou numa das capitais mais arborizadas no país. O parque/reserva de Itapuã não seria uma realidade sem os esforços do bravo José Lutzemberger, que lutou contra as pedreiras clandestinas, que transfiguravam aquele belíssimo cenário natural. Sem falar nas ações contra a devastação das florestas, queimadas, uso indiscriminado do solo, poluição do ar e cursos d’água.

Parque de Itapuã - portoimagem.com

Outra luta importante para a cidade, nos primeiros tempos, foi àquela desenvolvida contra a fábrica de celulose Borregard, que empesteava a cidade com um fétido odor, pois havia sido instalada sem filtros.

poavive.wordpress.com

Em 1973, um membro da entidade, o estudante Carlos Dayrell, conseguiria barrar o corte de árvores na Avenida João Pessoa, subindo num tipuana e impedindo o corte de uma série de árvores.
Dayrell em ação - Correio do Povo

Em 17 de agosto de 1988, os membros da associação, Guilherme Dornelles, Gert Schinke, Gerson Buss e Sydnai Sommer, escalaram os124 metros da chaminé da Usina do Gasômetro, para colocar uma faixa de 25 metros de comprimento em protesto contra a execução de um projeto que colocaria a Usina do Gasômetro no chão. Hoje em dia é impossível pensar em Porto Alegre sem a Usina do Gasômetro. A cidade deve isto à AGAPAN, que soube mobilizar a sociedade.
´
ultimosegundo.ig.com.br
Este blogueiro é amigo pessoal de dois dos quatro que subiram na chaminé da Usina. Guilherme Dornelles foi meu vizinho e companheiro de atividades sociais etílicas; Gert Schinke, trabalhou com Vitor, meu irmão, na tesouraria do PT  em 1989 e deu de presente para Vitor o capacete usado naquele momento épico. Guardamos com carinho este objeto, que hoje faz parte da história da nossa cidade.

No alto com um braço estendido Gert
Guilherme agachado ao centro com capacete usado na escalada
portoimagem.com
capacete preservado - Leonel Braz

Sede AGAPAN antes - agapan.blogspot.com

Em razão da sua trajetória, a sorrateira demolição da sede da AGAPAN, no dia 06 de junho de 2011, em circunstâncias ainda não esclarecidas, foi um ato deplorável que atingiu não só a entidade, como também toda a comunidade porto-alegrense e história do movimento ambientalista brasileiro, que teve seu início ligado aos primórdios da entidade. Diante destes fatos a sociedade não pode ficar omissa!
Sede AGAPAN depois - agapan.blogspot.com

No ano em que completou 40 anos de existência, a AGAPAN, sofreu um duro e violento golpe. Porém, seus integrantes prometem reerguer a sede destruída. Faça parte dessa história, associando-se à entidade, através do e-mail: comunicação@agapan.org.br.

A AGAPAN precisa de você!


“Nossas maiores homenagens aos fundadores da AGAPAN, que corajosamente enfrentaram a ditadura militar para defender a natureza e boa qualidade de vida.”


 

2 comentários:

  1. Nem deu para acreditar, mas as fotos provaram...

    Este é o país da copa!

    Parabéns pelo excelente trabalho....

    Não sou afiliada a nenhum sindicado, nenhum partido político, NINGUÉM além de mim esta por trás das opiniões que omito, mas são preciso fotos...para mostrar o ESTRAGO que fazem com a BELEZA da nossa cidade...

    ResponderExcluir
  2. do lado direito do Guilherme estão o Gerson Buss e o Sidney Zommer, grandes parceiros de Itapuã e outras pendengas.

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...