Pesquisar este blog

terça-feira, 15 de dezembro de 2009

O CORTEJO FESTIVO DE ENCERRAMENTO DA 55ª FEIRA DO LIVRO DE PORTO ALEGRE



O trabalho desenvolvido por Carbon Kid e Eu na defesa do ambiente ecologicamente qualificado tem nos proporcionado participar efetivamente da história da nossa cidade. Ainda que nossos nomes não apareçam nos meios de comunicação convencionais, na “web” (ou WWW), fazemos um registro multimídia destas intervenções através deste blog, do ORKUT do Carbon Kid e dos vídeos do youtube.

Embora ainda não sejamos um sucesso de público, pelos menos já conquistamos o nosso espaço perante o movimento ambientalista. E a grande maioria das pessoas que tomam contato com o nosso trabalho tecem os melhores elogios. Bom para o ego e um baita incentivo continuar adiante.

Olha só algumas críticas que recebemos, as quais nos encheram de orgulho:

“Achei a Morte de Plástico Muito Simpática.” Carlos Gerbase - cineasta

“A criatividade de vocês em toda a questão do Pontal tem sido sensacional... Criam formas excelentes de dialogar.” Fernanda Melchionna – vereadora municipal

“Mais uma vez obrigado pelo trabalho o vídeo está excelente.” Philip de Lace White – pres. Movimento Cidade baixa Vive

Mas, apesar disso tudo, por ainda estarmos apreendendo a dominar as linguagens midiáticas, algumas vezes cometemos pequenos erros no nosso trabalho que não chegam a prejudicar o resultado final.

Aconteceram dois destes erros no vídeo que fizemos do cortejo de encerramento da feira do livro. Primeiro, a tradição do toque de sineta para encerrar a feira do livro de Porto Alegre tem 32 anos e não 55, como colocamos no vídeo. Ficamos sabendo através de declaração na imprensa do Xerife da Feira “Júlio La Porta”.

O segundo erro, diz respeito ao próprio senhor Júlio La Porta. Registramos no vídeo o nome dele como Salvador La Porta. Como Salvador La Porta é uma companhia dedicada à editoração, distribuição de revistas muita antiga na cidade, este erro foi um belo dum mico literário.

Xerife Júlio La Porta e o Patrono Carlos Urbim
Semanas depois, quando passávamos por uma banca de revistas na Rua da Praia, avistei seu Júlio. Fui até ele. Contei-lhe o causo e pedi desculpas pelo erro. Ele mostrou-se simpático e pareceu não se importar. Disse que bastante gente o chama de Salvador La Porta. O que me deixou mais aliviado.

O CORTEJO FESTIVO DE ENCERRAMENTO DA 55ª FEIRA DO LIVRO DE PORTO ALEGRE

Registramos quatro de nossas incursões na feira do livro. Todas, segundo nosso juízo (- se é que temos algum...) foram sensacionais. Cada uma teve seu charme e encantamento. O cortejo festivo de encerramento nos surpreendeu pela beleza poética dos momentos que vivemos.

Antes do início, populares aguardavam com ansiedade a cerimônia. Justino Chaplin estava com seu cartaz em forma de peixe e concentrou-se contemplando a bela paisagem do cais do porto.


Carlos Urbim chegou e dirigiu-se a um galpão. Lá dentro em reunião com artistas disse algumas palavras e dois acordeons começaram a tocar uma melodia muito conhecida e um coral passou a acompanhar os acordes... –Ai, ai, ai, ai... Tá chegando a hora... O dia já vem raiando meu bem... E eu tenho que ir embora...

Lá de fora escutávamos com vontade de invadir o galpão. Mas, esperamos a nossa hora para nos juntarmos ao cortejo. Feito os registros pela imprensa, lá dentro, da porta do galpão saiu Urbin com o Xerife a seu lado tocando a sineta.


Carlos Urbin à frente dava aqueles passos solenes que os noivos dão nos casamentos. A música invadiu o cais e as pessoas rapidamente passaram a seguir o patrono. O patrono mais uma vez contagiou com sua simpatia o ambiente. As pessoas o saudavam alegremente. Por onde passou deixou um rastro de poesia.

Durante o cortejo, rosas eram distribuídas aos livreiros e populares. Na medida em que o séquito avançava, mais pessoas se juntavam à celebração e uniam suas vozes num emocionado coral. – Quem parte leva saudade... Ai.a i, ai,ai...

Nesta altura do campeonato uma maré de rosas coloridas pairava sobre nossas cabeças. Livreiros recebiam as rosas e fechavam suas bancas. Havia um mútuo contentamento pelo privilégio de estar ali presenciando as sucessivas trocas de gentilezas.

Pra variar, me emocionei tanto, que estraguei parte do áudio da gravação cantando junto com multidão. Mesmo assim as imagens captadas falam por si só. São de extrema beleza poética.

Justino Chaplin brilhou no evento. Carlos Urbim portou-se e foi saudado pela multidão como um verdadeiro Cavaleiro das Letras. Por sorte estávamos lá para registrar estes sublimes momentos da nossa cultura.




Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...